Meu filho reprovou. A culpa é de quem?

Meu filho reprovou. E agora? Primeiro pare de se culpar e entenda por que repetir de ano pode ser fundamental no desenvolvimento de seu filho.

0
180

Lidar com uma reprovação não é uma tarefa prazerosa, nem para os pais, muito menos para a própria criança ou adolescente. O primeiro passo para enfrentar o assunto é entender que reprovar de ano não é o fim do mundo.

"A reprovação vem sempre acompanhada do sentimento de frustração. A adrenalina e outros hormônios liberados nessas situações podem induzir o estudante ou os próprios pais a agir por impulso e procurar uma forma de recusar, fugir, transferir, mascarar, adiar ou esconder o problema. Por padrão, aprendemos que devemos evitar de qualquer forma as variações do 'volte uma casa'."
José Ivair Motta Filho
Professor de Física do Ensino Médio

Como lidar? Devo punir meu filho?

Não se desespere, respire fundo e convide seu filho para uma conversa aberta, onde ele fique à vontade para falar como se sente e os motivos pelos quais acredita que não conseguiu alcançar seu objetivo. Fugir do assunto, fingir que nada aconteceu ou encontrar pessoas e fatores externos para justificar o baixo desempenho do aluno não fará o tempo voltar, muito menos solucionar o problema. Não é necessário trazer mais peso para uma situação que, por si só, já é delicada.

Obviamente, ninguém fica feliz com a frustração e o sentimento de fracasso, mas, ao entender que errar é exatamente o que nos faz humano, podemos usar nossas falhas para refazer o caminho de forma mais consciente e com novas ideias. 

O diálogo será o melhor caminho para lidar com a quebra de expectativas dos pais e do próprio aluno. Entender suas dificuldades, identificar possíveis deslizes e encontrar formas de fazer diferente no próximo ano podem ser estabelecidas antes de reiniciar os estudos.

A criança ou o adolescente repetente já terá que lidar com uma carga de frustração e culpa. Seja o adulto que o ajudará a passar por essa fase de maneira leve e mais tranquila.

Como ver o copo meio cheio nessa situação?

O professor José Ivair Motta Filho comenta alguns exemplos nos quais o fracasso pode ter sido fundamental para o sucesso de pessoas que fizeram a diferença no mundo:

A história de Harry Potter, de J. K. Rowling, foi recusada por dezenas de editoras e demorou sete anos para ser publicada. Antes de ficar para a história com um homem de sucesso, Steve Jobs, o fundador da Apple, desistiu da escola e foi afastado da própria empresa. Aos 30 anos estava devastado, mas considerou a queda como aprendizado e, por isso, mudou sua forma de agir e entrou num dos períodos mais criativos da sua vida. Regressou à Apple e, sob sua orientação, a empresa criou vários produtos icônicos. O que diferencia os vencedores é a atitude positiva diante de suas derrotas. O medo de errar afeta negativamente os estudantes por toda a vida escolar. E é exatamente esse mesmo medo que pode nos impedir de fracassar que nos distancia do sucesso. Crianças e adolescentes que não aceitam os erros possuem menor disposição a assumir riscos – e, sem riscos, dificilmente há grandes conquistas (…) A repetência é um mecanismo que impede que alguém sem os requisitos necessários mude de etapa – e é importante entender que cada um tem o seu tempo. De que adianta passar no vestibular e entrar numa faculdade de Engenharia sem entender de Matemática? Afinal, é melhor ser repetente na escola que reprovado pela sociedade, pelo mercado de trabalho e pela vida.”

O que fazer a partir de agora?

Já conseguiu tirar o peso da situação? Parou de terceirizar culpas? Esse é o primeiro e o mais importante passo nessa nova caminhada. Já falamos neste texto do diálogo, mas aqui reforçamos a ideia de que ele é a ferramenta mais apropriada para entender e diagnosticar o problema e para buscar soluções para que no próximo ano a etapa seja vencida.

Há várias formas de buscar soluções: aulas extras para um melhor aproveitamento das matérias, verificar se a criança ou adolescente está com acúmulo de atividades, se está passando por alguma situação difícil em casa, na escola ou em outros ambientes, se ela se sente desmotivada, se existe algum outro problema mais sério etc.

Não esqueça que a ajuda de um profissional pode ser necessária para identificar e solucionar essas questões.

O papel da escola

Na hora de escolher uma escola para seu filho, leve em consideração a preocupação com o bem-estar e com as habilidades da criança e do adolescente. Venha conhecer a estrutura e a metodologia do Colégio Positivo. 

Você sabe identificar sintomas de depressão em seu filho? Este texto pode te ajudar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here